Jeep Newsedan Estado:

O espírito Jeep está totalmente ligado à natureza e nós assumimos o papel quando o assunto é cuidar do nosso habitat. Neste espaço, você poderá conhecer mais das nossas iniciativas sustentáveis que vão desde a missão de reflorestar uma parte da Mata Atlântica, na Zona da Mata Pernambucana, até produzir carros apenas com água de reúso. O projeto de um mundo mais sustentável e humano passa por todos nós e também pelo espírito Jeep.

Nossos projetos:

O Polo Automotivo Jeep é o primeiro do Nordeste a ser “Aterro Zero”. Desde outubro de 2015, 100% dos resíduos gerados são enviados para reciclagem e reutilização. O Polo alcançou essa meta como resultado de esforços contínuos, seguindo a hierarquia dos 5Rs: Recuse, Reduza, Reutilize, Recicle e Recupere.

Todos os resíduos gerados no Polo Automotivo Jeepvão para Ilha Ecológica, uma área de 3 mil metros quadrados onde os materiais têm destino certo.

Um diferencial da Ilha Ecológica é a reciclagem de isopor. A tecnologia, criada pela FCA há 20 anos, reduz o volume do material 50 vezes. O isopor transforma-se em pequenas peças de plásticos enviados para uma empresa de reciclagem. O “Aterro Zero” impulsionou no entorno do Polo o desenvolvimento
da cadeia da reciclagem, com a criação de oportunidades de novos negócios.

O Programa de Educação Ambiental da Jeep nasceu integrado ao Programa de Biodiversidade, integrando a educação ambiental à rotina escolar. Foi mensurado o Índice de Desempenho Socioambiental Escolar (Idese), que indica o grau de maturidade da escola como espaço educador sustentável, e assim, desenvolver a cartilha “Trabalhando com a Biodiversidade na Escola”, com sugestões de projetos e atividades para salas de aula.

A visita à fábrica também faz parte da metodologia. Ao conhecerem os processos da fábrica de Goiana, os alunos são engajados para a necessidade de preservar o meio ambiente. De forma prática, com as mãos na terra, aprende-se ecologia, botânica e educação ambiental.

Mais de 2 mil alunos do 5º ano do Ensino Fundamental de escolas públicas de Goiana já participaram do programa.

Logo no início das obras da fábrica, o time de Meio Ambiente foi desafiado a desenvolver um projeto exclusivamente com espécies nativas. Identificar quais plantas existiam ali, numa região dominada pela plantação de cana-de-açúcar, não foi fácil. Hoje, é uma das mais relevantes iniciativas de conservação da Mata Atlântica do país.

Desde 2014, já foram plantadas mais de 70 mil mudas de 289 diferentes espécies, sendo 27 em extinção. Os locais para o plantio são escolhidos com cuidado, para a formação de corredores ecológicos e atrair a fauna local. Muitos animais selvagens, como a Jaguatirica e Tamanduá, já foram observados voltando ao seu habitat. A meta é alcançar até 2024 o plantio de 208 mil mudas, com a criação de 304 hectares de área verde e corredores ecológicos.

O Polo Automotivo Jeep iniciou as atividades em 2015, já com um dos mais modernos sistemas de tratamento de efluentes e reúso de água do país. Praticamente, eliminamos o uso de água potável para fabricar carros. A água vem da estação de tratamento que, somada ao trabalho da manufatura de reduzir o consumo de água por carro produzido, faz da Jeep referência no setor automotivo em gestão hídrica.

O índice de recírculo está entre os maiores do Brasil: 99,4%. Em um mês, cerca de 28 mil m³ de água (equivalente a oito piscinas olímpicas) deixam de ser captados da rede pública de abastecimento. Além do alto índice de reuso, a meta de reduzir o consumo de água é alcançada com ações de engajamento dos empregados. O consumo de água por veículo produzido reduziu, em um ano, 45%.

A Jeep estabelece e aplica o Sistema de Gestão Ambiental e de Energia (escopo: Fabricação de automóveis, caminhonetas e utilitários (minivans)), de acordo com as normas ISO 14001 e ISO 50001, alinhado aos princípios de sua Política Ambiental e Energética, listados abaixo:

  • Proteger o meio ambiente, preservar a biodiversidade e combater as mudanças climáticas através do uso eficiente de energia e dos recursos naturais.
  • Garantir a melhoria contínua do Sistema de Gestão e do Desempenho Ambiental e Energético, evitando os impactos de suas atividades que possam gerar poluição.
  • Garantir o cumprimento das legislações aplicáveis e outros requisitos subscritos pela organização que se relacionem a seus aspectos ambientais, eficiência energética, uso e consumo de energia.

O pilar educação foi escolhido como principal plataforma de atuação social da Jeep, com a criação do Rota do Saber. Na busca de reverter o atual panorama da educação, a formação de professores é o ponto-chave, com métodos de ensino mais eficazes. Essa foi a rota escolhida pela Jeep para apoiar a melhoria da qualidade do ensino em escolas públicas em municípios localizados na área de influência do Polo Automotivo Jeep.

O Rota do Saber tem como foco a qualificação de gestores pedagógicos e professores de escolas públicas do Ensino Fundamental, pelo prazo de três anos. O programa tem data para começar e terminar, evitando uma relação de dependência. A partir do aprendizado acumulado em três anos, o município terá condições de transformar o programa em política pública.

O Polo Jeep é a primeira fábrica no setor automotivo na América Latina a ter o certificado “Carbono Neutro”, conquistado em 2017. De forma pioneira, desenvolveu processos para reduzir e neutralizar emissões de gases de efeito estufa.

Para reduzir as emissões, a planta Jeep adota uma série de medidas de eficiência energética. A fábrica possui, por exemplo, sistemas que substituem o uso da energia elétrica convencional pela oriunda de fontes renováveis.

Em 2017, na comparação com 2016, a Jeep reduziu 30% o consumo de energia por veículo produzido. Para as emissões não possíveis de serem eliminadas, realizou-se um plano para compensação, com o investimento proporcional em projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), geradores de crédito de carbono, cadastrados na ONU.

Com o objetivo de incentivar a conservação da biodiversidade, a Jeep anuncia parceria com o Projeto TAMAR, uma das mais relevantes iniciativas em defesa da vida selvagem do planeta. Essa união vem resgatar uma história que teve início em 1982, quando, a bordo de três Jeeps doados pelo órgão ambiental brasileiro, os primeiros pesquisadores do Projeto TAMAR começaram o trabalho de proteção das tartarugas marinhas, espécies ameaçadas de extinção.Até o final deste verão de 2018, o TAMAR terá protegido mais de 35 milhões de tartarugas marinhas, contribuindo para o início da recuperação das cinco espécies que desovam no país. Na temporada 2016-2017, foram 26 mil ninhos protegidos, gerando mais de 2 milhões de filhotes que conseguiram chegaram ao mar.

Concessionárias